Cadernos do GPOSSHE On-line

Frederico Jorge Ferreira Costa - Editor Científico dos Cadernos do GPOSSHE On-line

Kátia Regina Rodrigues Lima Editora Científica dos Cadernos do GPOSSHE On-line

Alisson Slider do Nascimento de Paula Editor Científico dos Cadernos do GPOSSHE On-line

José Ferreira de Alencar - Fundador do Instituto de Estudos e Pesquisa do Movimento Operário - IMO, in memoriam


ISSN 2595-7880 - QUALIS B4
Para acessar o site do periódico, clique no link: Cadernos do GPOSSHE On-line


Dossiê Lukács


Com muita satisfação, o dossiê Lukács inaugura a publicação dos Cadernos do Gposshe. O Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação Humana (GPOSSHE) congrega diversos estudos do campo das ciências humanas, em particular da educação, da história e da questão social, a partir das coordenadas teóricas do humanismo, do historicismo concreto e da razão dialética. 
György Lukács (1885-1971) foi um dos mais importantes teóricos do marxismo no século XX e tem influenciado variadas pesquisas nos mais diversos campos do pensamento humano, como a filosofia, a estética, a educação, a política, etc., por isso Lukács já foi denominado o Galileu do século XX. A disposição intelectual de Lukács para avançar filosoficamente, por mais que o movimento de superação significasse a negação de suas próprias proposições, é um exemplo de seriedade científica e de respeito à imanência da realidade. É por este espírito que, nesta primeira edição, os Cadernos do Gposshe, homenageiam o marxista húngaro György Lukács.

SOBRE A CAPA

Os Murais de Creta desafiam os historiadores da arte e os sociólogos, pois superam o estilo geométrico abstrato, o tradicionalismo e as formas rígidas da arte do Oriente Antigo. Os murais cretenses apresentam uma imagem colorida, de vida livre e exuberante. Algumas teorias tentam explicar esse fenômeno, mas o que chama a atenção é a “modernidade” dessa arte, mesmo em meio a condições sociais e econômicas semelhantes às do Egito Antigo e da Mesopotâmia. O caráter “moderno” arte cretense é vanguardista e é um exemplo de que a humanidade pode produzir o novo em condições adversas e, além disso, é um lembrete de que o ser humano irremediavelmente o fará. Na capa desta edição, o afresco é do Palácio de Cnossos (1900 a.C – 1500 a.C) e representa a tauromaquia, o jogo do touro. A fotografia é de autoria desconhecida e está disponível na internet.

Publicado: 2018-10-19

Dossiê Crise da educação em tempos de neoconservadorismo


O dossiê "Crise da educação em tempos de neoconservadorismo" dá continuidade com o fluxo de publicações dos Cadernos do Gposshe On-line. O Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação Humana (GPOSSHE) congrega diversos estudos do campo das ciências humanas, em particular da educação, da história e da questão social, a partir das coordenadas teóricas do humanismo, do historicismo concreto e da razão dialética.

Nos últimos anos, presencia-se uma série contínua de ataques à educação brasileira em diversos países. No Brasil, o desmantelamento da educação associa-se aos interesses de setores vinculados ao mercado de serviços que está atrelado à lógica do capital de base financeirizada. As investidas contra a educação brasileira foram aceleradas depois do golpe de 2016: reforma do ensino médio, projeto Escola sem partido, cortes no financiamento da educação pública/estatal, reordenamento do Fies, proposta da terceira versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), dentre outras. Em acréscimo, o novo governo de Bolsonaro tende a aprofundar e fortalecer esse movimento neoconservador.

Fonte da capa: https://br.pinterest.com

DOI: https://doi.org/10.33241/cadernosdogposshe.v2i1

Publicado: 2019-08-14
Dossiê A ciência diante do obscurantismo

O dossiê "A ciência diante do obscurantismo" dos Cadernos do Gposshe On-line. O Grupo de Pesquisa Ontologia do Ser Social, História, Educação e Emancipação Humana (GPOSSHE) apresenta uma série de reflexões sobre os ataques sofridos pela ciência, no contexto da atual conjuntura no qual setores de extrema-direita e reacionários articulam um discurso anticientífico e obscurantista propagandeados por fakenews, que objetivam aprofundar a alienação da massa trabalhadora.

É  possível  identificar  entre  as  mudanças trágicas  na  forma  de  pensar  e  de  entender  possibilitadas  pela  crise  a  contradição abismal  entre  as  formas ideológicas  da  pseudociência,  do  irracionalismo  e  do fundamentalismo religioso e a realidade que se contorce em rupturas e saltos. Nesse sentido, reivindicar o papel da ciência na desmistificação da realidade deve ser tarefa dos intelectuais nos espaços de construção do saber. É aceitando essa tarefa urgente, que esse dossiê se faz relevante.

Crédito da foto: Vlad Tchompalov.

Publicado: 2019-10-03